Rio e Bahia suspendem campanha de vacinação por falta de doses do imunizante

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021 as 16:25, por: CdB

“Recebi a notícia de que não chegaram novas doses”, afirmou o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, nesta segunda-feira, em mensagem divulgada no Twitter.

Por Redação – do Rio de Janeiro e Salvador

Os idosos que receberiam a vacina contra covid-19, a partir desta quarta-feira, no município do Rio de Janeiro, permanecerão sob o risco de contrair o vírus. Por falta de imunizante, foi suspensa a campanha na Cidade. O Estado da Bahia também se encontra na mesma situação.

Os estoques de vacinas contra a covid-19 estão praticamente esgotados no Rio de Janeiro e em todo o Estado da Bahia

“Recebi a notícia de que não chegaram novas doses”, afirmou o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, nesta segunda-feira, no Twitter. O governador da Bahia, Rui Costa (PT), também informou que a vacinação no Estado está suspensa, nesta semana, pois os estoques de imunizantes estão praticamente zerados.

Vacinas

Ao relatar a jornalistas a necessidade de aquisição das doses de vacina contra a covid-19, o governador Rui Costa cobrou mais velocidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e disse haver “má vontade” da instituição.

— Estamos angustiados. Nós temos possibilidade de 10 milhões no curtíssimo prazo de vacinas chegarem e serem distribuídas, o que faria uma grande diferença para vacinarmos em larga escala — afirmou Costa.

O Brasil importou insumos para a produção das vacinas Coronavac e Astrazeneca/Oxford. Ainda não está sendo aplicado no país o imunizante russo Sputnik V, que já é usado em países vizinhos como Argentina e Paraguai. Autoridades brasileiras também não fizeram uso da Pfizer/BionTech – esta é uma parceria entre a Alemanha e os Estados Unidos, é e aplicada em países da União Europeia e pelas próprias autoridades norte-americanas.

Ranking

De acordo com estimativas feitas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), caso seja mantido o atual ritmo de vacinação contra a covid-19 no Brasil, o país conseguirá imunizar as 160 milhões de pessoas acima de 18 anos apenas em meados de março de 2024.

Segundo a epidemiologista e ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI), Carla Domingues, o Brasil pode enfrentar duas semanas de paralisação das imunizações contra a Covid-19 por falta de vacina no país.

Atualmente, o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking global de infectados pela doença (9,8 milhões), atrás de Índia (10,9 milhões) e Estados Unidos (28,2 milhões). O governo brasileiro também registra a segunda maior quantidade de mortes (239 mil) – nessa estatística, os EUA também ficam na primeira posição (497 mil).