Sérgio Moro proíbe visitas ilustres ao ex-presidente

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 10 de abril de 2018 as 16:18, por: CdB

Moro determinou o recolhimento de Lula em uma sala reservada da Superintendência da PF da capital curitibana. A determinação dele é para que o líder petista cumpra pena, separadamente dos demais presos.

 

Por Redação, com correspondente – de Curitiba

 

O juiz federal Sérgio Moro decidiu que o ex-presidente Luiz Inácio da Silva não terá nenhum privilégio no recebimento de visitas, tendo que se adequar à regra geral estabelecida a todos os detentos da Polícia Federal em Curitiba (PR), informou o magistrado em despacho.

Acampamento em Curitiba aumenta com a resistência à prisão de Lula
Acampamento em Curitiba aumenta com a resistência à prisão de Lula

Moro determinou o recolhimento de Lula em uma sala reservada da Superintendência da PF da capital curitibana. A determinação dele é para que o líder petista cumpra pena, separadamente dos demais presos.

“Sem qualquer risco para a integridade moral ou física; a fim de igualmente atender a dignidade do cargo ocupado”, escreveu. O juiz de primeira instância também autorizou o petista a ter um aparelho de televisão na cela.

Sem visita

“Nenhum outro privilégio foi concedido, inclusive sem privilégios quanto a visitações, aplicando-se o regime geral de visitas da carceragem da Polícia Federal, a fim de não inviabilizar o adequado funcionamento da repartição pública, também não se justificando novos privilégios em relação aos demais condenados”, afirmou Moro, em despacho do final da tarde desta segunda-feira.

A decisão do juiz ocorre às vésperas da visita prevista que 10 governadores de Estado pretendem fazer a Lula nesta terça-feira em Curitiba. São oito governadores do Nordeste (menos o do Rio Grande do Norte), mais os chefes do Executivo do Acre, Tião Viana, e de Minas Gerais, Fernando Pimentel.

Lula está preso na sede da PF em Curitiba desde sábado para cumprir pena de 12 anos e 1 mês de prisão, em regime fechado, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).
O dia de visitação a todos os detentos naquela unidade da PF são as quartas-feiras.

Governadores

De acordo com o boletim de informações que tem sido divulgado pelo Comitê Popular em Defensa de Lula e da Democracia, dez governadores estão em Curitiba para tentar visitar Lula: Tião Viana (Acre), Rui Costa (Bahia), Camilo Santana (Ceará), Fernando Pimentel (Minas Gerais), Wellington Dias (Piauí), Flávio Dino (Maranhão), Renan Filho (Alagoas), Jackson Barreto (Sergipe) e Paulo Câmara (Pernambuco).

Leia a íntegra, adiante, do boletim:

Boletim 10 – Comitê Popular em Defensa de Lula e da Democracia
Direto de Curitiba – 10/04/2018 – 10h45

1. A terça-feira começou com uma assembleia, às 9h30, no acampamento da Vigília Democrática #LulaLivre com a participação de centenas de pessoas que já estão na resistência em Curitiba conosco.

2. Às 10h30 tivemos uma reunião com o Secretário Nacional de Combate ao Racismo do PT, Martvs das Chagas. Na pauta, o debate sobre a agenda “O Brasil que o Povo Negro Quer” e a Intensificação na luta pela libertação de Lula.

3. Às 11h temos reunião com dez governadores; dirigentes de cinco partidos (PT, PC do B, PDT, PMDB e PSB) e o presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas. Os governadores presentes ao ato e que vieram a Curitiba para visitar Lula são: Tião Viana (Acre), Rui Costa (Bahia); Camilo Santana (Ceará), Fernando Pimentel (Minas Gerais); Wellington Dias (Piauí), Flávio Dino (Maranhão); Renan Filho (Alagoas), Jackson Barreto (Sergipe) e Paulo Câmara (Pernambuco).

4. Às 18h haverá um novo ato político na Vigília Democrática #LulaLivre

5. Nesta quarta-feira (11) a CUT encabeça o Dia Nacional de Mobilização em Defesa de #LulaLivre. E também acontecerá em vários países da América Latina a Jornada Continental pela Liberdade de Lula. Mais detalhes nos próximos boletins.

Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *