Sobreviventes de massacre lideram campanha antiarmas nos EUA

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018 as 10:03, por: CdB

Com marcha a Washington e críticas a Trump, alunos de escola secundária onde jovem matou 17 na Flórida prometem reascender pressão por reforma na legislação sobre controle armamentista no país

Por Redação, com DW – de Washington:

Estudantes sobreviventes do massacre na escola secundária de Parkland, no Estado norte-americano da Flórida, onde na semana passada um ex-aluno matou 17 pessoas a tiros, esperam se tornar o rosto do movimento pelo controle de armas.

Manifestantes pedem por reforma na legislação sobre armas num protesto em Fort Lauderdale, no sábado

Em entrevistas às emissoras NBC News e CNN, estudantes anunciaram no domingo a realização de uma marcha nacional e um acampamento em Washington para exigir um maior controle no acesso a armas. A marcha está sendo difundida pela Internet por meio do movimento Never Again (nunca mais).

Vários estudantes criticaram o presidente dos EUA, Donald Trump, cuja eleição foi fortemente apoiada pela Associação Nacional do Rifle (NRA); que capitaneia o lobby armamentista, e teve uma plataforma que se opõe ao controle de armas. O direito de posse de arma de fogo é protegido pela Segunda Emenda da Constituição.

Trump passou o fim de semana em sua propriedade no sul da Flórida; apenas a uma hora de carro da Marjory Stoneman Douglas High School. No sábado, um dia depois de ter visitado as vítimas hospitalizadas e agradecido pelo trabalho dos profissionais de saúde e de segurança na resposta ao tiroteio; ele afirmou que a oposição democrata não aprovou uma legislação para aumentar o controle de armas quando Barack Obama liderava o país; e controlava Câmara e Senado – “porque não quis”.

“Como se atreve?”

No Twitter, Trump também acusou o FBI (a polícia federal norte-americana); de estar demasiadamente focado nas investigações no caso da Rússia e de falhar na reação às advertências sobre o (antes potencial) atirador.

– Assim como não querem resolver o problema do Daca programa que protege da deportação os jovens imigrantes indocumentados; por que os democratas não aprovaram uma legislação para aumentar o controle de armas quando tinham tanto a Câmara dos Representantes como o Senado no governo de Obama? Porque não quiseram e agora só falam – escreveu.

Um dos estudantes da escola da Florida acusou Trump de fomentar uma divisão entre os norte-americanos; sobre a questão do controle de venda e posse de armas.

– Você é o presidente. A sua função é manter o país unido e não dividir as pessoas – disse David Hogg, de 17 anos; ao programa Meet the Press, da NBC. “Como se atreve? As crianças estão morrendo, e o sangue delas está em suas mãos. Por favor, é preciso agir”, acrescentou.

Emma González, estudante sobrevivente do ataque, deu um discurso acalorado num protesto realizado no domingo e mencionou os US$ 30 milhões; em despesas da NRA para a campanha presidencial de Trump.

González citou Trump, o senador da Flórida, Marco Rubio; além do governador do estado, Rick Scott – todos republicanos;  num aviso aos políticos apoiados pela NRA.

– Agora é a hora de se colocarem do lado certo, porque isso não é algo que vamos deixar varrer debaixo do tapete – avisou González. 

Sinais de mudança na Flórida 

Os políticos da Flórida, entretanto, movimentaram-se numa tentativa de elaborar uma legislação. Em entrevista à televisão norteamericana, o senador Rubio abraçou uma lei democrata na legislatura da Flórida que permitiria que tribunais impedissem temporariamente a aquisição e posse de armas para pessoas determinadas como ameaça a outros e a si próprio.

O governador Scott participou de uma vigília de oração a poucos quarteirões do local do massacre. Espera-se que ele anuncie um pacote legislativo com parlamentares republicanos nesta semana.

Depois de mais de um dia de críticas de alunos, a Casa Branca disse que Trump participará de um encontro com estudantes na quarta-feira; e se reunirá na quinta-feira com funcionários estaduais e locais de segurança. A marcha e o início do acampamento em Washington estão agendados para 24 de março.

Na quarta-feira passada, o jovem Nikolas Cruz matou a tiros 14 estudantes e três professores na escola secundária de Parkland com um fuzil de assalto AR-15; além de ferir outras 14 pessoas.

Cruz, um jovem órfão com poucos amigos, obcecado por armas e que se gabava por matar animais, havia sido expulso da escola no ano passado por problemas disciplinares.