Tony Blair considera ‘inevitável’ atrasar saída do Reino Unido da União Europeia

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 17 de janeiro de 2019 as 11:58, por: CdB

May, cujo acordo do Brexit negociado com a UE foi rejeitado na terça-feira na Câmara dos Comuns, realizou conversas hoje com deputados de diferentes partidos a fim de desbloquear a crise.

Por Redação, com EFE – de Londres

O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair disse nesta quinta-feira que as conversas do Brexit estão imersas no “caos” e considerou “inevitável” atrasar a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), fixada para o próximo dia 29 de março.

O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair disse nesta quinta-feira que as conversas do Brexit estão imersas no “caos”

Em declarações à emissora de rádio BB”, o ex-líder trabalhista ressaltou que o governo de Theresa May terá que pedir uma ampliação da vigência do Artigo 50 do Tratado de Lisboa, que fixou um período de negociação de dois anos desde a comunicação do “divórcio” até o momento de saída da UE.

– Acredito que isso é inevitável agora (…). Se eu estivesse no governo, já estaria conversando com a Europa sobre os termos da extensão do artigo, acrescentou aquele que foi primeiro-ministro britânico entre 1997 e 2007.

Além disso, Blair se mostrou a favor de convocar um segundo referendo sobre a UE devido à atual crise política.

– Isto é um caos total. Levando em conta tudo o que passou, considerando o que sabemos agora, não é pouco razoável pedir ao povo para pensar sobre isso outra vez  – afirmou.

Por outro lado, Blair criticou o líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, por negar-se a realizar uma reunião com a primeira-ministra para tentar pactuar um acordo que possa ser aprovado no parlamento, após a derrota sofrida por seu plano inicial.

– Se em um momento de crise nacional, o primeiro-ministro pede ao líder da oposição que venha conversar, ele certamente deve fazer isso – especificou.

May, cujo acordo do Brexit negociado com a UE foi rejeitado na terça-feira na Câmara dos Comuns, realizou conversas hoje com deputados de diferentes partidos a fim de desbloquear a crise.

A chefe de governo iniciou ontem à noite estes contatos políticos após superar na Câmara dos Comuns – por uma maioria de 19 votos – uma moção de censura contra o governo que tinha sido apresentado na terça-feira pelo líder trabalhista.

No entanto, Corbyn se negou a reunir-se com a primeira-ministra se não recebesse antes garantias de que não haverá um Brexit sem acordo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *