Em crise, Grupo Globo muda sua alta cúpula

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 5 de maio de 2021 as 19:45, por: CdB

Pelo que foi publicado até agora na mídia especializada não dá para saber ainda o que motivou tão abrupta mudança na cúpula do Grupo Globo. O que se sabe é que o ‘império global’ atravessa uma prolongada e grave crise financeira, com aumento substancial no valor da dívida.

Por Altamiro Borges – de São Paulo

Na quarta-feira passada, o Grupo Globo surpreendeu o mundo empresarial e midiático ao promover abrupta mudança na sua alta cúpula. Roberto Irineu Marinho, que ocupava a presidência do Conselho de Administração do império global desde o falecimento de Roberto Marinho, em agosto de 2003, foi substituído no cargo pelo irmão João Roberto Marinho. 

Um dos donos da Globo, o jornalista João Roberto Marinho e o prefeito Crivella se enfrentam em um duelo de versões sobre quem seria corrupto
Um dos donos da Globo, o jornalista João Roberto Marinho se torna agora o presidente do grupo de comunicação, em um momento grave da empresa

Com a troca, aprovada por unanimidade, o herdeiro mais velho passa a ocupar a Vice-presidência do Conselho de Administração, do qual ainda faz parte José Roberto Marinho (também como vice-presidente), o caçula do clã. Paulo Marinho, Roberto Marinho Neto, Alberto Pecegueiro e Jorge Nóbrega são os outros integrantes da direção da empresa. 

De acordo com o ‘império’, “o Conselho tem, entre as suas missões, a de definir a estratégia dos negócios, zelar pela manutenção dos ‘Valores e da Essência Globo’ e aprovar os planos de negócios, com vistas ao futuro”. João Roberto, que é seis anos mais novo do que Roberto e dois anos mais velho do que José, já chefiava outras áreas estratégicas da empresa. 

Mandachuva

Segundo descreve o site UOL (de propriedade do diário conservador paulistano Folha de S. Paulo), “com a promoção, ele vai acumular funções no comando do Conselho Editorial, responsável por discutir e propor orientação e alinhamento em questões de direcionamento da empresa, e do Comitê Institucional, que tem o papel de acompanhar e propor linhas de atuação para as relações institucionais do grupo”. 

Ainda segundo a matéria acrítica do site, “Roberto Irineu Marinho foi o mandachuva da Globo nos últimos 18 anos. No comando da empresa, ele aumentou investimentos na tecnologia digital. Em 2006, lançou o portal de notícias G1. No ano seguinte, a emissora iniciou a transmissão de conteúdos em alta definição, por meio da implantação da televisão digital”. 

Lucro despenca

Pelo que foi publicado até agora na mídia especializada não dá para saber ainda o que motivou tão abrupta mudança na cúpula do Grupo Globo. O que se sabe é que o ‘império global’ atravessa uma prolongada e grave crise. Matéria publicada na Folha, em março passado, apontou que o lucro da corporação despencou no ano passado.

“O aumento de despesas e a queda na receita com publicidade fizeram o lucro líquido do Grupo Globo cair 78% em 2020, para R$ 167,8 milhões. As despesas financeiras – encargos e juros de empréstimos e financiamentos – dispararam 385%, para R$ 1,9 bilhão. Com a alta do dólar no ano passado, a dívida da Globo passou de R$ 3,47 bilhões para R$ 5,4 bilhões”. 

“Já a receita líquida consolidada com vendas, publicidade e serviços – principal fonte de renda do grupo – caiu para R$ 12,5 bilhões em 2020, de R$ 14 bilhões de 2019”, descreve a reportagem. A Folha relata que o ‘império’ se desfez de patrimônio para enfrentar a crise. “Em 2020, a Globo arrecadou R$ 49 milhões na venda de capital imobilizado”. 

”Efeitos da pandemia”

Em balanço divulgado em 26 de março, a administração da empresa afirmou que “os efeitos da pandemia da Covid-19 provaram ser mais graves do que originalmente estimado, tanto no Brasil quanto no exterior, e ainda é particularmente incerto como a economia em geral responderá aos vários pacotes de estímulo coordenados pelo governo”. 

Para enfrentar o cenário adverso, “o grupo criou um comitê de crise, composto pelos principais executivos da companhia. São realizadas reuniões frequentes para tratar de gestão de caixa, medidas de eficiência de custos, renegociação de contratos, direitos de transmissão e exibição e fornecedores de materiais, entre outros”, informa a Folha. 

Ainda segundo o jornal, “séries e novelas tiveram suas gravações interrompidas, o que comprometeu a exibição. Algumas tiveram seus finais antecipados e outras tiveram que ser interrompidos completamente. A pandemia comprometeu também o calendário de eventos esportivos dos quais a Globo detém os direitos de transmissão”. 

Em outra reportagem, a mesma Folha relata que “o corte de grandes salários e o enxugamento dos custos de produção ajudaram a Globo a amortecer o impacto da queda dos investimentos publicitários em 2020… O lucro da GCP (Globo Comunicação e Participações), que inclui GloboPlay, canais pagos e Som Livre, foi de R$ 167,8 milhões no ano passado, ante R$ 752,5 milhões em 2019”.

Essa baita queda talvez ajude a explicar as tensões e mudanças na cúpula do império!

Altamiro Borges é jornalista e editor do Blog do Miro e articulista do Correio do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code