Diálogo mostra que procuradores queriam ‘atingir Lula na cabeça’, durante a Lava Jato

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021 as 16:31, por: CdB

“Precisamos atingir Lula na cabeça (prioridade número 1), pra nós da PGR, acho q o segundo alvo mais relevante seria Renan (Calheiros)”, disse a procuradora, em troca de mensagens num grupo do Telegram.

Por Redação – de Brasília

Novas mensagens de integrantes da força-tarefa da Lava Jato vieram a público nesta sexta-feira. Os diálogos, obtidos pela Operação Spoofing, fazem parte de uma petição da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, protocolada nesta manhã, no Supremo Tribunal Federal (STF). Em uma das conversas, procuradores falam em “atingir Lula na cabeça”.

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve com ‘a cabeça a prêmio’ durante a Operação Lava Jato, de Curitiba

O diálogo ocorreu em 5 de março de 2016, dia seguinte à condução coercitiva do ex-presidente. A frase é atribuída a uma pessoa identificada nos grupos do aplicativo Telegram como “Carol PGR”, que seria a procuradora da República Anna Carolina Resende, então integrante da equipe do procurador-geral Rodrigo Janot.

 “Pessoal, fiquei pensando que precisamos definir melhor o escopo pra nós dos acordos que estão em negociação. Depois de ontem, precisamos atingir Lula na cabeça (prioridade número 1), pra nós da PGR, acho q o segundo alvo mais relevante seria Renan. Sei que vcs pediram a ODE [empreiteira Odebrecht] que o primeiro anexo fosse sobre embaraço das investigações. Achei excelente a ideia mas agora tenho minhas dúvidas se o tema é prioritário e se é oportuno nesse momento”, diz a mensagem, mantida a grafia original, que traz ainda citação ao senador Renan Calheiros (MDB-AL).

‘Pertinência’

No mesmo dia, os integrantes da Operação Lava Jato e a procuradora “Carol PGR” articulam a elaboração de uma nota oficial em favor do então juiz Sergio Moro, criticado em boa parte do mundo jurídico pelo pedido de condução coercitiva de Lula.

“O fundamento maior da nossa nota é: não deixamos um amigo apanhar sozinho. Moro fez e estava sendo criticado, vamos pra cima junto. Quanto ao mérito e pertinência da nota em si, o grupo estava dividido”, diz uma mensagem, respondida por “Carol PGR”:

“Vamos torcer pra esta semana as coisas se acalmarem e conseguirmos mais elementos contra o infeliz do Lula”, conclui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code