Facebook revela que site ligado a fake news está sob alçada de Bolsonaro

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 4 de março de 2020 as 18:25, por: CdB

A página no Facebook, chamada Bolsofeios, foi criado a partir de um computador localizado na Câmara dos Deputados e também registrada a partir de um telefone utilizado pelo secretário parlamentar do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Eduardo Guimarães.

 

Por Redação – de Brasíllia

Informações exigidas da rede social Facebook pela Câmara dos Deputados e liberadas nesta quarta-feira apontam a responsabilidade do gabinete do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), afastado de suas funções partidárias por determinação da Mesa Diretora, por um ano, sobre um site criado para a disseminação de notícias falsas, durante a campanha eleitoral. Os dados chegaram à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News.

Em outra face da retaliação ao grupo bolsonarista, a Executiva deve propor a retirada de Eduardo da presidência do PSL em São Paulo
Em outra face da retaliação ao grupo bolsonarista, a Executiva deve propor a retirada de Eduardo da presidência do PSL em São Paulo

A página no Facebook, chamada Bolsofeios, foi criado a partir de um computador localizado na Câmara dos Deputados e também registrada a partir de um telefone utilizado pelo secretário parlamentar do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Eduardo Guimarães. O email do registro da conta da página é “eduardo.gabinetesp@gmail.com”, utilizado pela assessoria do deputado para a compra de passagens e reserva de hotéis, através da cota parlamentar, como mostra a prestação de contas disponível no site da Câmara dos Deputados.

Os dados foram pedidos ao Facebook pela CPMI das Fake News, a partir de um pedido de quebra de sigilo das contas no Instagram feito pela Comissão. O documento, divulgado nesta manhã pela mídia conservadora, mostra que a conta bolso_feios foi instalada no IP de um computador localizado dentro na Câmara.

Bolsofeios

As denúncias foram reveladas pela deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), em depoimento à CPMI, no dia 4 de dezembro. Segundo Hasselmann, a página Bolsofeios pertencia ao assessor de Bolsonaro, Eduardo Guimarães. Ela também apresentou um grupo secreto que reunia páginas ligadas ao “gabinete do ódio”, com a presença de Guimarães e o perfil bolsofeios.

O grupo organizava ataques a pessoas consideradas inimigas da família. Túlio Gadelha pediu à empresa mantenedora do Instagram o acesso ao conteúdo de todas as mensagens trocadas no grupo intitulado “Gabinete do Ódio”, desde o período da campanha eleitoral de 2018, com base no depoimento de Joice.

A página Bolsofeios integrava o grupo.

“Conforme tal depoimento, os participantes do grupo ‘Gabinete do Ódio’ não apenas articulavam, sistematicamente, a divulgação de Fake News no período eleitoral de 2018, mas também elaboram um ‘cronograma de ataques’ para ‘assassinato de reputações’, o que configura a prática de cyberbullying até a presente data”, afirmou o deputado, no pedido feito à rede social.

Campanha

O Bolsofeios também desfechou ataques contra jornalistas, o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e adversários políticos da família. Há, ainda, publicações convocando para as manifestações de março a favor do presidente e contra o Congresso e o STF. Uma delas tem um vídeo com imagens de Maia, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), ministros do STF e diversos políticos sendo comparados com doenças contagiosas.

A página também ataca a jornalista do diário conservador paulistano Folha de S. Paulo (FSP) Patrícia Campos Mello. Na legenda, disseram que a repórter “tentou destruir a campanha” de Bolsonaro, o que a FSP nega. Contatado pela reportagem da Folha, o gabinete do deputado Eduardo Bolsonaro confirmou que utiliza o e-mail “eduardo.gabinetesp@gmail.com” de forma oficial. Procurado por jornalistas, o parlamentar não se manifestou.