Mínimo solar começa e tende a diminuir temperaturas na Terra

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Meio Ambiente, Natureza, Últimas Notícias, Universo
Publicado quinta-feira, 23 de maio de 2019 as 13:27, por: CdB

Com esses raios cósmicos em alta, cientistas sabem que o Sol está prestes a entrar em um período de resfriamento prolongado. Esse processo solar longo e profundo poderá fazer com que as temperaturas médias da Terra caiam.

 

Por Redação, com Sputniknews – de Moscou

 

Pesquisadores alertam que o mínimo solar chegou – potencialmente o mais longo da história – podendo causar mudanças climáticas caóticas e efeitos indesejáveis para viagens aéreas, devido à alta intensidade de raios cósmicos. Esse processo solar longo e profundo poderá fazer com que as temperaturas médias da Terra caiam.

A atividade solar tende a diminuir nas próximas décadas, com resultados catastróficos para a Terra
A atividade solar tende a diminuir nas próximas décadas, com resultados catastróficos para a Terra

Um sinal de que o mínimo solar está em processo é a perda de partículas que o Sol está sofrendo – isso permite que mais fragmentos solares penetrem na Terra, cita o tabloide britânico Express.
Menos calor em um mínimo solar se deve a uma diminuição das ondas magnéticas.

Resfriamento

Essa diminuição nas ondas equivale a um Sol ligeiramente mais frio. Com menos ondas magnéticas vindas do Sol, os raios cósmicos conseguem chegar à Terra com mais facilidade (porque não precisam lutar contra tantos ventos solares), podendo causar sérios impactos para o nosso planeta, inclusive nas viagens aéreas e para o nosso clima.

Com esses raios cósmicos em alta, cientistas sabem que o Sol está prestes a entrar em um período de resfriamento prolongado. Especialistas preveem ainda que o ciclo solar 25 (atual) deve ser parecido com o ciclo solar 24, que foi marcado por um mínimo longo e um máximo de baixa intensidade.

“O Sol continua sendo muito silencioso e tem estado sem manchas solares neste ano mais da metade do tempo à medida que nos aproximamos do que é provável que seja um mínimo solar profundo”, afirma ao site Perspecta Weather o meteorologista Paul Dorian.

Era do Gelo

“Um dos impactos naturais da diminuição da atividade solar é o enfraquecimento do vento solar ambiente e do seu campo magnético que, por sua vez, permite que cada vez mais raios cósmicos penetrem no Sistema Solar (…). A intensificação dos raios cósmicos pode ter consequências importantes em coisas como a nebulosidade e o clima da Terra, a segurança de passageiros aéreos e como um possível mecanismo desencadeador de relâmpagos”, explica.

O mínimo solar mais longo da história, o Mínimo de Maunder, ocorreu entre 1645 e 1715 e durou incríveis 70 anos. Este fenômeno fez com que as temperaturas caíssem globalmente em 1,3 grau Celsius, além de ter encurtado as estações e gerado escassez de alimentos – tal efeito foi chamado de “Era do Gelo em miniatura”.

O site meteorológico Vencore Weather ressalta que “a baixa atividade solar é conhecida por ter consequências sobre as condições meteorológicas e o clima da Terra”, além de estar “correlacionada com um aumento dos raios cósmicos que atingem a parte superior da atmosfera”.

“O Sol em branco é um sinal de que o próximo mínimo solar está se aproximando e haverá um número crescente de dias sem manchas solares nos próximos anos”, complementou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *