Movimento indígena no Equador vai acionar a Justiça para disputar segundo turno

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021 as 13:51, por: CdB

Em função da pequena diferença de votos entre o segundo e o terceiro colocado, o líder do movimento indígena, Yacu Pérez, quer judicializar o pleito e reverter o resultado das urnas. Teoricamente, a disputa do segundo turno nas eleições presidenciais do Equador, em 11 de abril, será entre Andrés Arauz e o ex-banqueiro Guillermo Lasso.

Por Redação, com Sputnik – do Quito

Em função da pequena diferença de votos entre o segundo e o terceiro colocado, o líder do movimento indígena, Yacu Pérez, quer judicializar o pleito e reverter o resultado das urnas.

Após resultado eleitoral, movimento indígena no Equador vai acionar a Justiça para disputar segundo turno

Teoricamente, a disputa do segundo turno nas eleições presidenciais do Equador, em 11 de abril, será entre Andrés Arauz e o ex-banqueiro Guillermo Lasso.

Porém, na prática, a questão é um pouco mais delicada. A partir desta segunda-feira, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador começa a receber as denúncias que podem alterar o resultado anunciado, caso as autoridades validem as impugnações e os pedidos de recontagem.

O candidato Andrés Arauz teve 32,72% dos votos. Em segundo lugar, o ex-banqueiro Guillermo Lasso ficou com 19,74%. Porém, o candidato indígena Yacu Pérez teve com 19,39%, apenas 0,35% atrás do segundo colocado.

“Se Yacu Pérez conseguir apresentar provas suficientes de irregularidades, o resultado poderá mudar, especialmente se ele comprovar fraude na província de Guayas, região onde a superioridade de Guillermo Lasso foi determinante”, explica uma reportagem da Rádio França Internacional.

A disputa jurídica

Yacu Pérez tem três alternativas jurídicas para apresentar evidências de fraude: no Conselho Nacional Eleitoral, no Tribunal Contencioso Eleitoral e na Procuradoria-Geral do Estado, órgão que já manifestou interesse em fazer uma auditoria.

Vale lembrar que o candidato Yacu Pérez tinha conseguido com Guillermo Lasso, há dez dias, um acordo político para recontagem parcial de votos. Porém, Lasso voltou atrás, e agora não quer mais uma recontagem.

Ele sustenta que o acordo foi anulado por não ter amparo jurídico. A lei eleitoral equatoriana não permite um acordo de cavalheiros para recontar os votos.

O cumprimento dessa recontagem é o que o candidato Yacu Pérez continua a reivindicar nas ruas. Para isso, lidera uma marcha que partiu do extremo Sul do Equador, no dia 17, e que chegará a Quito nesta terça-feira para rodear o prédio do Conselho Eleitoral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code