Mudanças climáticas atingem Semiárido e transformam região em novo deserto

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Meio Ambiente, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 11 de agosto de 2021 as 16:34, por: CdB

Criado na ONU e integrado por 195 países, entre os quais o Brasil, o IPCC é o principal órgão global responsável por organizar o conhecimento científico sobre as mudanças do clima.

Por Redação, com BBC – de Fortaleza

O recém-divulgado relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) ressalta que o Brasil está entre as áreas do mundo onde a mudança do clima tem provocado efeitos mais drásticos e, no país, o Semiárido é a região mais atingida. O relatório aponta, ainda, que devido às mudanças do clima, a região — que engloba boa parte do Nordeste e o norte de Minas Gerais — já tem enfrentado secas mais intensas e temperaturas mais altas que as habituais.

mudanças climáticas
No interior das Alagoas, uma área desertificada atinge 32,8% de todo o Estado, maior percentual no Semiárido

Tais condições, aliadas ao avanço do desmatamento na região, tendem a agravar a desertificação, que já engloba uma área equivalente à da Inglaterra, compara a agência britânica de notícias BBC, em extensa reportagem publicada nesta quarta-feira.

Criado na ONU e integrado por 195 países, entre os quais o Brasil, o IPCC é o principal órgão global responsável por organizar o conhecimento científico sobre as mudanças do clima. O documento, apresentado mundialmente na segunda-feira, é o sexto relatório de avaliação produzido desde a fundação do órgão, em 1988.

Desmatamento

“O Nordeste brasileiro é a área seca mais densamente povoada do mundo e é recorrentemente afetado por extremos climáticos”, diz o relatório. O IPCC afirma que essas condições devem se agravar: se na década de 2030 o mundo deve atingir um aumento de 1,5°C em sua temperatura média, em boa parte do Brasil os dias mais quentes do ano terão um aumento da temperatura até duas vezes maior.

Em várias partes do Semiárido, isso significa verões com temperaturas frequentemente ultrapassando os 40°C. Atualmente, segundo o IPCC, o mundo já teve um aumento de 1,1°C na temperatura média em relação aos padrões pré-industriais.

Para limitar o grau do aquecimento, é preciso que os países reduzam drasticamente as emissões de gases causadores do efeito estufa — como o gás carbônico, produzido pelo desmatamento e pela queima de combustíveis fósseis, e o metano, emitido pelo sistema digestivo de bovinos.

Satélites

Para o meteorologista e cientista do solo Humberto Barbosa, professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), temperaturas extremas põem em xeque a sobrevivência no Semiárido de micro-organismos que vivem no solo e são cruciais para a existência das plantas. Há dois anos, Barbosa diz ter encontrado temperaturas de até 48°C em solos degradados no interior de Alagoas.

— A vegetação não crescia mais ali, independentemente se chovesse 500 mm, 700 mm ou 800 mm. Não fazia mais diferença, pois toda a atividade biológica do solo não respondia mais — afirmou Barbosa, à BBC.

Sem vida no solo, aquela região se tornou desértica, como tem ocorrido em várias outras partes do Semiárido. Na Ufal, Barbosa coordena o Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), que desde 2012 monitora a desertificação no Semiárido. Em 2019, o laboratório revelou que 13% de toda a região estava em estágio avançado de desertificação. Essa área engloba cerca de 127 mil quilômetros quadrados.

— Na nossa região, naturalmente não haveria um deserto, só que a gente tem hoje um deserto — resumiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code