O Senhor das armas

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 10 de maio de 2019 as 17:47, por: CdB

Irresponsabilidade. Como um grupo de bandoleiros, parlamentares aplaudem o presidente guerreiro que liberalizou o uso de armas num país violento. Até os evangélicos, num momento de lucidez, se assustaram e querem a retirada do Decreto. Nota do Editor do DR.

Editorial da Revista Sera? – em Recife

Primeira bronca dos evangélicos no Presidente

A cena é aterrorizante: grupo de parlamentares ao lado do Presidente da República sorrindo e fazendo o sinal de uma pistola atirando, no momento em que o chefe de Estado assinava o decreto que libera o porte de arma de fogo para várias categorias e segmentos da sociedade.

Bolsonaro assina decreto que muda regras para o porte de armas.

A cena é aterrorizante: grupo de parlamentares ao lado do Presidente da República sorrindo e fazendo o sinal de uma pistola atirando, no momento em que o chefe de Estado assinava o decreto que libera o porte de arma de fogo para várias categorias e segmentos da sociedade.

Embora este governo não tenha uma cara nítida e consistente, esta é a mais fiel imagem do presidente da República, que parece disposto a transformar o Brasil numa num faroeste tropical. Num total desacordo com o Estatuto do Desarmamento, o decreto escancara as possibilidades de porte de arma de fogo, num país com grandes tensões sociais e elevados índices de violência.

Além disso, autoriza o porte para políticos em exercício de mandato, advogado, oficial de justiça, caminhoneiro, agente de trânsito, entre outros, criando as condições para explosão da violência no Brasil.

E como autoriza o porte para colecionador de arma e sócio de clubes de tiro, basta que o cidadão se matricule num desses clubes e registre a sua arma para poder circular armado pelas ruas das cidades. O decreto ainda libera para compra de até cinco mil munições anuais por pessoa, quase um arsenal privado de alto risco.

Felizmente o presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia, está pedindo um parecer técnico para demonstrar inconstitucionalidade do decreto e a base evangélica do Congresso, normalmente bolsonarista, percebeu a irresponsabilidade da medida e se articula para forçar uma retirada da medida.

Em pouco mais de quatro meses de governo, o presidente Jair Bolsonaro e sua entourage, com destaque para os filhos neuróticos, se limita às sistemáticas e permanentes agressões contra o “fantasma do comunismo”. Excetuando a proposta de Reforma da Previdência e de medidas de liberalização da economia, quase um governo paralelo que avança apesar do Presidente, o governo Jair Bolsonaro é um desastre político e social e uma ameaça ao futuro do Brasil.

Publicado na Revista Será?, do Recife, como editorial.

Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *