Poluição do ar mata mais que cigarro, diz estudo

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado quarta-feira, 13 de março de 2019 as 10:31, por: CdB

Pesquisa aponta que poluição atmosférica causa quase 9 milhões de mortes por ano no mundo, o dobro do estimado anteriormente. Cientistas pedem redução de limites para concentração de partículas finas no ar.

Por Redação, com DW – de Londres

A poluição do ar mata anualmente mais pessoas do que o tabagismo, de acordo com uma pesquisa divulgada na terça-feira. Cientistas da Alemanha e do Chipre estimaram que a poluição do ar causou 8,8 milhões de mortes em 2015, quase o dobro dos 4,5 milhões anteriormente estimados .

Cientistas consideram limite da UE para partículas finas de poluição alto demais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que o tabagismo mate cerca de 7 milhões de pessoas por ano em todo o mundo.

Os pesquisadores constataram que na Europa, o foco principal da pesquisa da Sociedade Europeia de Cardiologia, a poluição do ar resultou em 790 mil mortes, sendo que entre 40% e 80% delas ocorreram em decorrência de doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames.

– Como a maior parte do material particulado e de outros poluentes atmosféricos na Europa provêm da queima de combustíveis fósseis, precisamos mudar para outras fontes de geração de energia com urgência – disse Jos Lelieveld, coautor do estudo e membro do Instituto Max-Planck de Química em Mainz, na Alemanha, e do Instituto Cipriota de Nicósia.

– Quando usamos energia limpa e renovável, não estamos apenas cumprindo o Acordo de Paris para mitigar os efeitos das mudanças climáticas, mas também podemos reduzir as taxas de mortalidade relacionadas à poluição do ar na Europa em até 55% – disse Lelieveld.

O estudo, divulgado na publicação científica European Heart Journal, se concentrou no ozônio e nas menores partículas poluidoras, conhecidas como PM2.5, que são particularmente prejudiciais à saúde, pois podem penetrar nos pulmões e até mesmo entrar na corrente sanguínea.

Os cientistas aplicaram o novo Modelo de Exposição Global de Mortalidade a um amplo banco de dados epidemiológico , com números atualizados de densidade populacional, idade, fatores de risco de doença, causas de morte, para simular a maneira como produtos químicos naturais e artificiais interagem com a atmosfera.

Os pesquisadores relataram que novos dados indicam que o impacto danoso à saúde das PM2.5, a principal causa de doenças respiratórias e cardiovasculares, foi muito pior do que se pensava anteriormente. Eles defenderam uma redução na União Europeia (UE) do limite máximo para as PM2.5, que atualmente é de 25 microgramas por metro cúbico, 2,5 vezes maior do que recomenda a OMS.

– Na Europa, o valor máximo admissível é alto demais – disseram Lelieveld e o coautor Thomas Munzel, do Departamento de Cardiologia do Centro Médico Universitário de Mainz, em comunicado conjunto. “Nos EUA, na Austrália e no Canadá, a diretriz da OMS é tomada como base para a legislação, o que também é necessário na UE.”

Em todo o mundo, a poluição do ar vem causando 120 mortes a cada 100 mil pessoas por ano. Na Europa, apesar de haver controles de poluição mais rigorosos do que na maioria das outras regiões, o número é maior,  133 mortes por 100 mil habitantes.

– Isso é explicado pela combinação de má qualidade do ar e densidade populacional, o que leva a uma exposição que está entre as mais altas do mundo – disse Lelieveld.

As taxas são ainda mais altas no Leste Europeu, em países Bulgária, Romênia e Croácia, onde foram registradas 200 mortes por ano a cada 100 mil pessoas. Tais números foram atribuídas a cuidados de saúde menos avançados.

– Para colocar isso em perspectiva, isso significa que a poluição do ar causa mais mortes por ano do que o consumo de tabaco – disse Munzel.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *