STF é surpreendido com novo ataque, após sermão de ministro em general

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 8 de julho de 2020 as 13:43, por: CdB

Depois de passar um sermão no general Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI, por ameaça velada à democracia, o ministro Celso de Mello é surpreendido com o ataque direto de um parlamentar ao seu colega, ministro Alexandre de Moraes. O deputado Otoni de Paula (PSC-RJ) o chamou de ‘cabeça de ovo’, ‘lixo’ e ‘canalha’, entre outras ofensas.

Por Redação – de Brasília

Decano do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Celso de Mello encerrou um ação potencialmente explosiva para o Palácio do Planalto, não sem antes deixar um sermão público ao general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) Heleno cometeu um “insólito e inadmissível” comentário, segundo Mello, sobre eventual apreensão judicial do celular de Jair Bolsonaro.

O deputado e pastor Otoni de Paula (PSC-SP), um dos vice-líderes da base de Jair Bolsonaro, na Câmara, fez um pesado ataque ao STF
O deputado e pastor Otoni de Paula (PSC-SP), um dos vice-líderes da base de Jair Bolsonaro, na Câmara, fez um pesado ataque ao STF

Em decisão publicada nesta quarta-feira, o ministro afirmou que a declaração ameaça a ordem constitucional e invoca: “ensaios de retomada, absolutamente inadmissíveis, de práticas estranhas (e lesivas) à ordem constitucional, típicas de um pretorianismo que cumpre repelir”. Em 22 de maio, Heleno postou no Twitter que o pedido de apreensão do aparelho telefônico de Bolsonaro era “inconcebível”, “afronta ao Executivo” e “interferência inadmissível”do Judiciário. 

“O pronunciamento (…) veiculou declaração impregnada de insólito (e inadmissível) conteúdo admonitório claramente infringente do princípio da separação de poderes”, escreveu Celso de Mello, chamando o conteúdo da nota de “inacreditável e inconcebível”.

Blogueiro

O ministro acrescenta que, “em um contexto de grave crise política, econômica, social e sanitária, podem, algumas vezes, insinuar-se pronunciamentos ou registrar-se movimentos que parecem prenunciar ensaios de retomada, absolutamente inadmissíveis, de práticas estranhas (e lesivas) à ordem constitucional, típicas de um pretorianismo que cumpre repelir”.

Celso de Mello considerou, ainda, o comportamento de Heleno “inaceitável” mas está agora, de frente com outro ataque à Corte Suprema, que repercutiu a declaração de um dos vice-líderes do governo, na Câmara. Pastor evangélico, o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), está com um vídeo, no ar, ao longo das últimas 72 horas, nas redes sociais, no qual xinga o ministro  do STF Alexandre de Moraes de “lixo”, “tirano” e “canalha”, entre outros impropérios.

O parlamentar critica Moraes pela decisão que libertou o blogueiro Oswaldo Eustaquio, mas o proibiu de usar as redes sociais.

Hora errada

“Por isso é chamado de cabeça de ovo, porque respeito, Alexandre de Moraes, não se impõe, se conquista. Você é um lixo, você é o esgoto do STF, a latrina da sociedade brasileira”.

O deputado também faz ameaças diretas ao ministro do STF. Nesta quarta-feira, ministros da Corte se disseram chocados com a virulência do ataque e até no Palácio do Planalto o pronunciamento causou espanto, segundo apurou a reportagem do Correio do Brasil.

— Trata-se de um momento em que (o presidente Jair) Bolsonaro (sem partido) acena com uma bandeira branca para o STF. O ataque ocorre em uma hora muito errada — disse fonte do governo, ao CdB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *