Fuga massiva de dólares mostra desconfiança na gestão Bolsonaro

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 8 de janeiro de 2020 as 19:12, por: CdB

Apenas em dezembro, o fluxo de câmbio contratado mostrou déficit de US$ 17,612 bilhões, pior resultado para qualquer mês desde setembro de 1998 (-US$18,919 bilhões de dólares). Para meses de dezembro, a saída foi a maior registrada desde pelo menos 1982, início da série.

Por Redação – de São Paulo

O Brasil fechou 2019 com uma saída líquida recorde de dólares, com uma debandada de US$ 44,768 bilhões ao longo de todo o ano, mostraram dados do Banco Central nesta quarta-feira. A cifra é quase três vezes pior que a maior saída anual de recursos até então, registrada em 1999, quando houve um fluxo negativo de US$ 16,182 bilhões.

O Banco Central vendeu nesta terça-feira 5.100 contratos de swap cambial reverso, de oferta de até 12.000, e US$ 255 milhões em moeda à vista
O Banco Central constatou que investidores têm retirado um volume cada vez maior de recursos do país

Apenas em dezembro, o fluxo de câmbio contratado mostrou déficit de US$ 17,612 bilhões, pior resultado para qualquer mês desde setembro de 1998 (-US$18,919 bilhões de dólares). Para meses de dezembro, a saída foi a maior registrada desde pelo menos 1982, início da série.

Os sinais insuficientes de recuperação da economia, embora a inflação permaneça contida e as taxas de juros tenham caído, ao longo do ano passado, os investidores esperavam um efeito mais rápido das políticas pró-mercado do governo Bolsonaro. A dificuldade política para aprovar a reforma previdenciária também provocou dúvidas sobre a capacidade de aprovar outras reformas importantes, como a tributária.

Ofertas

Mas os banqueiros de investimento ainda esperam que os investidores internacionais voltem mais rapidamente no ano que vem, diante da expectativa de maior crescimento econômico.

— Alguns grandes fundos de ações ‘long-only’, que são mais cuidadosos no investimento, analisaram algumas ofertas brasileiras depois da aprovação da reforma da Previdência. É um bom sinal, mas ainda estamos longe do potencial — disse à agência inglesa de notícias Reuters o chefe global de renda variável no banco de investimentos do Banco BTG Pactual, Fabio Nazari, em recente entrevista.

Fluxo intenso

Mesmo sem estrangeiros, espera-se que o mercado brasileiro sustente um fluxo constante de investidores locais que estão saindo da renda fixa em direção às ações, diante de taxas de juros que atingiram mínimas históricas.

— Nunca vimos um período tão longo com taxas de juros baixas — disse Alessandro Farkuh, chefe da área de banco de investimento do Bradesco.

Uma nova mudança de alocação de R$ 3 trilhões (US$ 714,6 bilhões) de investidores de varejo locais também deve manter a participação dos brasileiros em ofertas de ações mais altas do que no passado.

Guerra comercial

Os investidores internacionais também estão preocupados com outros fatores que podem prejudicar os fluxos para os mercados emergentes, disse Hans Lin, chefe de banco de investimento no Brasil do Bank of America.

— A guerra comercial global, o estado da economia dos EUA e o Brexit são riscos que podem afetar o apetite dos investidores — concluiu Farkuh.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *