Novo coronavírus passa à condição de pandemia, declarada pela OMS

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 11 de março de 2020 as 14:26, por: CdB

Diretor-geral observa que número de casos fora da China se multiplicou por 13, e o de países afetados triplicou em apenas duas semanas. Ele pede aos países para que ajam de forma urgente e enérgica contra o Sars-Cov-2.

Por Redação, com DW – de Londres

A disseminação da doença Covid-19, causada pelo novo coronavírus Sars-Cov-2, pode ser caracterizada como uma pandemia, afirmou nesta quarta-feira  o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em Genebra, na Suíça.

Policial usa máscara em Milão, na Itália, um dos países mais afetados pelo novo coronavírus
Policial usa máscara em Milão, na Itália, um dos países mais afetados pelo novo coronavírus

O número de casos fora da China se multiplicou por 13 em duas semanas, e o de países afetados triplicou, afirmou o diretor-geral como justificativa para usar a expressão, que vinha evitando nas últimas semanas.

Pandemia é um termo usado para a disseminação de uma doença por vários países ou continentes. Segundo a OMS, já há mais de 118 mil casos de infecção com o vírus Sars-Cov-2 em 114 países, com 4.291 mortes oficiais. Para Ghebreyesus, o número de infecções, de mortes e de países atingidos deverá aumentar ainda mais.

Ele disse também estar muito preocupado com os “níveis alarmantes de disseminação e gravidade”, bem como com os “níveis alarmantes de inação” diante do vírus, indicando que a classificação como pandemia é um estímulo para que os países ajam.

A declaração não muda nada naquilo que os países já deveriam estar fazendo para combater de forma enérgica o avanço do vírus, acrescentou. “Todos os países ainda podem mudar o rumo dessa pandemia”, disse. Para isso, são necessários esforços para detectar os infectados, isolá-los e tratá-los e mobilizar as pessoas em resposta ao avanço do vírus, disse.

– Nós pedimos todos os dias ao países para que adotem medidas urgentes e enérgicas. Soamos o alarme alto e claro – reiterou. A OMS afirmou que o Irã e a Itália são as atuais frentes de combate, mas que novos países vão se unir a eles em breve.

Alemanha

Também nesta quarta-feira, a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, se manifestou pela primeira vez sobre o avanço do novo coronavírus no país, afirmando que a disseminação do patógeno precisa ser contida e que é preciso união no combate ao surto. O país tem cerca de 1,3 mil infecções e duas mortes confirmadas.

– Nossa solidariedade, nossa razão e nossa compaixão mútua estão sendo colocadas à prova, e desejo que passemos nessa prova – disse Merkel em Berlim, ao lado do ministro da Saúde, Jens Spahn.